YouTube lança programa de testes para usuários Premium

Há muito o YouTube já permite que seus usuários testem novos recursos e produtos antes de irem ao ar para um público mais amplo. Mas em uma mudança recente, a última série de experimentos do YouTube está sendo limitada àqueles que assinam o plano Premium da plataforma.

Atualmente, os assinantes pagos são os únicos capazes de testar vários novos recursos do produto, incluindo um que permite aos usuários do iOS assistir a vídeos do YouTube diretamente na tela inicial.

Isso não é a mesma coisa que a opção Picture-in-Picture que se tornou disponível para desenvolvedores de aplicativos com iOS 14. Em vez disso, o YouTube afirma que esse recurso permite que os usuários que estão navegando na página inicial do YouTube assistam a vídeos com o som ligado enquanto navegam pelo feed.

Dois outros experimentos estão relacionados à pesquisa. Um permite filtrar os tópicos pesquisados ​​por idiomas adicionais, incluindo espanhol, francês ou português. O outro permite que você use a pesquisa por voz para obter vídeos ao usar o navegador Chrome.

Nos anos anteriores, o YouTube permitia que todos os usuários experimentassem novos recursos em desenvolvimento a partir de um site dedicado. Nos anos mais recentes, entretanto, a empresa começou a usar o site YouTube.com/new para direcionar os usuários interessados ​​aos recursos futuros antes de serem lançados publicamente.

Por exemplo, quando o YouTube apresentou seu novo design em 2017, os usuários podiam visitar o mesmo site para optar pela visualização antes de seu lançamento.

Agora, o site está sendo usado para promover outros testes por tempo limitado.

O YouTube afirma que a opção de testar os recursos foi destacada para assinantes Premium há algumas semanas no aplicativo do YouTube. Também é a primeira vez que o YouTube executa um programa de experimentação vinculado ao serviço Premium.

Ao contrário de alguns relatórios , no entanto, não parece que a intenção do YouTube seja fechar todos os seus experimentos para ninguém, exceto seus assinantes pagos. A documentação de ajuda da própria empresa , de fato, observa que essa limitação só se aplica a “alguns” de seus testes. 

O YouTube também esclareceu que os testes apresentados no site representam apenas uma “pequena minoria” daqueles que estão sendo executados na plataforma. E eles não incluem de forma alguma o conjunto mais amplo de experimentos de produto que a empresa realiza, de acordo com o Google.

Google Meet começa a testar salas simultâneas nas chamadas em vídeo

O serviço de videoconferência do Google está ganhando salas simultâneas (mas elas estarão disponíveis apenas para clientes do G Suite Enterprise for Education em um primeiro momento).

Com o recurso, professores e educadores poderão dividir suas aulas em grupos menores para assuntos como projetos ou discussões focadas.

O Google permite que você crie até 100 salas simultâneas em uma única chamada. Depois de decidir quantas salas de sessão de grupo deseja, a plataforma agrupará aleatoriamente as pessoas da chamada em salas, mas os moderadores podem adicionar pessoas manualmente a outras salas, se quiserem.

Os moderadores da reunião também podem pular entre as salas para verificar os grupos.

Se você não é um cliente do Enterprise for Education, mas achou o recurso interessante, também poderá aproveitar a funcionalidade em breve – o recurso estará disponível em outras edições do G Suite e do Google Workspace “ainda este ano”, de acordo com o Google.

O rival do Google Meet, o Zoom, já oferece salas simultâneas para todos os usuários (desde 2015), diferencial que faz o Google correr na tentativa de se atualizar com esse recurso.

No entanto, os usuários do Zoom só podem se dividir em 50 salas diferentes, o que é metade das 100 salas possíveis oferecidas pelo Google Meet.

Novo filme da Pixar será lançado exclusivamente no Disney+

Na última semana, a Disney cancelou o lançamento nos cinemas de um de seus últimos filmes do calendário de 2020.

A animação “Soul”, da Pixar, terá estreia exclusiva no Disney+, o serviço de streaming da companhia, no dia 25 de dezembro e poderá ser assistido pelos usuários da plataforma em todo o globo – incluindo o Brasil, que terá acesso ao Plus a partir do próximo dia 17 de novembro.

Além da mudança, a Variety também confirmou que o filme não terá um preço de locação adicional cobrado para ser assistido na plataforma, estratégia contrária ao que a empresa fez com o remake de “Mulan”, quando teve um “acesso exclusivo” por US$ 29,99.

A decisão demonstra uma reviravolta na estratégia da Disney, que nos últimos dias adiou todo o seu calendário de estreias para 2021.

A empresa registrou um desempenho abaixo do esperado com a exibição de “Mulan” nos cinemas chineses e no streaming – que não alcançou a lista de conteúdos mais assistidos sequer no fim de semana de estreia, de acordo com dados recentes da Nielsen.

Lucas Amarildo

Lucas Amarildo

Jornalista de formação, apaixonado por produção de vídeos. Atuou em redações, produziu documentários e atualmente coordena a área técnica da Dia Estúdio com o objetivo de pensar estrategicamente as tecnologias e inovações adotadas nos projetos da empresa. Está sempre em busca das novidades do universo audiovisual, atualizações das plataformas e é justamente sobre isso que vai falar neste espaço!

 

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Criadores iD

 

x