Em setembro de 2019, o YouTube anunciou mudanças importantes na política da plataforma em relação a vídeos de conteúdo infantil. Desde ontem (06/01), os novos termos começaram a ser de fato aplicados no mundo todo. A partir de agora, os vídeos que atingirem de alguma forma o público infantil devem ser devidamente classificados. O não cumprimento das novas diretrizes pode resultar numa redução significativa da receita do canal.

A medida adotada pelo YouTube faz parte da Lei de Proteção da Privacidade Online das Crianças (COPPA), vigente nos Estados Unidos. No ano passado, a plataforma recebeu uma multa milionária por “violar normas infantis” de publicidade e coleta de dados.

As novas regras

A responsabilidade de classificar seus conteúdos como infantis fica a cargo do próprio criador. De acordo com o YouTube,  são esses os pontos a serem observados na hora da classificação:

  • O tema do vídeo (por exemplo: conteúdo educativo para crianças em idade pré-escolar);
  • Se as crianças são o público-alvo ou os espectadores reais do seu vídeo;
  • Se os vídeos apresentam atores ou modelos infantis;
  • Se o vídeo mostra personagens, celebridades ou brinquedos infantis, incluindo personagens de animação ou desenhos animados;
  • Se a linguagem do vídeo é adequada para crianças;
  • Se o vídeo contém atividades que são interessantes para crianças, como teatrinhos, músicas ou jogos de fácil assimilação ou está relacionado à educação infantil;
  • Se o vídeo contém músicas, histórias ou poemas para crianças;
  • Se contém outras informações que possam ajudar a determinar o público do seu vídeo, como evidências empíricas de quem são os espectadores do vídeo.

Caso o criador não identifique corretamente seus vídeos, o risco de desmonetização é alto. As novas regras têm gerado revolta por partes de alguns youtubers que acreditam que serão prejudicados. A tag #YouTubeEuNãoSouCriança chegou a ficar nos assuntos mais comentados do Twitter, ilustrando a insatisfação.

 

conteudo infantil

Os vídeos identificados como “para crianças” terão alguns recursos desativados (chats ao vivo, comentários, anúncios personalizados, histórias, sino de notificação) como forma de proteção deste público. A medida independe da idade do espectador. O YouTube também terá um sistema automático que fará uma varredura frequente para identificar conteúdos infantis.

Vale lembrar que a plataforma considera como criança quem tem até 13 anos.

O vídeo abaixo oferece uma visão geral das novas diretrizes:

 

E você, o que achou das novas regras do YouTube? Deixe sua opinião no @CriadoresiD.

 

Leia também: Criadores iD realiza pesquisa sobre Criadores de Conteúdo