YouTube amplia monetização de vídeos, mesmo não pagando para alguns criadores

O YouTube diz que começará a mostrar anúncios em mais vídeos – mas não necessariamente vai pagar uma parte ao produtor.
A empresa atualmente compartilha a receita de anúncios com os produtores de vídeo que estão inscritos em seu esquema de parceria, quando mostra anúncios antes ou durante seu conteúdo.

Mas o YouTube diz que vai começar a colocar anúncios em alguns vídeos de canais que não fazem parte de seu esquema de parceria.
Mudanças em seus termos de serviço significam que o YouTube não dividirá a receita desses anúncios com os produtores.

O Programa de Parcerias do YouTube exige uma inscrição do criador de conteúdo e está disponível apenas para canais com mais de 1.000 assinantes e que registraram 4.000 horas de exibição de pessoas em um ano.

O YouTube disse que os canais que não estão no programa não “receberão uma parte da receita desses anúncios”, embora os criadores tenham a oportunidade de se inscrever normalmente, caso atendam aos requisitos de elegibilidade.

Alguns YouTubers acusaram a empresa de mudar as regras de suas políticas de anúncios. Outros sugeriram que colocar anúncios em todos os vídeos, independentemente do potencial de ganho, pode ser uma tentativa de fazer com que os espectadores paguem pelo produto premium sem anúncios

Leia mais

>>> VidCon anuncia chegada ao Brasil em 2021
>>> WhatsApp anuncia investimento nas contas business e detalha seus planos de negócio
>>> Novo recurso do Google pode descobrir a música que está na sua cabeça
>>> E se a Netflix fosse um canal de TV?

As mudanças estão sendo implementadas nos Estados Unidos, com o YouTube dizendo que os novos termos “ficarão disponíveis” para criadores em outros lugares no próximo ano.

70% da América Latina assinou alguma plataforma de streaming em 2020

YouTube amplia monetização de vídeos, mesmo não pagando para alguns criadores

Um estudo publicado pela Sherlock Communications revelou detalhes sobre o comportamento dos usuário latino americanos em relação ao consumo de streaming em 2020.

Mesmo com o impacto da pandemia da Covid-19 nestes mercados, o streaming continua crescendo e ganhando força.

De acordo com a pesquisa, realizada nas seis maiores economias da região – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru – mais de 92% dos entrevistados disseram que assinaram uma plataforma de streaming desde 2019. Desse total, 70% assinou pelo menos uma plataforma em 2020.

Um terço de todos os entrevistados agora tem duas assinaturas distintas, enquanto no México e no Peru, cerca de 22% dos entrevistados disseram que assinam pelo menos quatro plataformas. Cerca de 83% dos peruanos também disseram que 2020 foi o ano em que assinaram seu primeiro serviço de vídeo sob demanda.

Ainda em março, a consultoria Digital TV Research fez uma estimativa de que as assinaturas de streaming na América Latina aumentariam de 42 milhões no final de 2019 para 81 milhões em 2025.

Em setembro, essa projeção foi revisada para 100,3 milhões, considerando o mesmo período de cinco anos. “Todos sabiam que os serviços de streaming são populares na América Latina, mas acho que ninguém percebeu o quão populares nem a rapidez com que estão crescendo”, disse Patrick O’Neill, cofundador da Sherlock Communications.

“Estamos falando de apenas 7% dos entrevistados que não assinam nenhuma plataforma de streaming, então a grande questão é para onde vai a indústria a partir daqui”, finaliza O’Neill.

O desejo dos latino-americanos pelo consumo de conteúdos produzidos localmente também merece atenção. Para colombianos e peruanos, este é um dos principais motivos para assinar um serviço.

“A preocupação não é com a qualidade dos programas, mas sim com tantas opções já disponíveis e novos concorrentes se preparando para pousar na América Latina, o oceano de conteúdo disponível pode gerar ‘cansaço de decisão’ nos usuários”, acrescentou O’Neill.

#FiqueEmCasa foi a hashtag mais utilizada pelos brasileiros em 2020

A plataforma Socialbakers realizou um levantamento das 10 hashtags mais utilizadas em 2020. O ano marcado pela pandemia do coronavírus ampliou o consumo das redes sociais. E nesse cenário, as famosas hashtags também passaram a ser mais adotadas pelos usuários.

Impulsionada pelo isolamento social, a hashtag mais usada no Brasil, no Instagram e também no Facebook, foi #fiqueemcasa. A lista completa ficou assim:

Instagram

  1. #fiqueemcasa
  2. #tbt
  3. #diadospais
  4. #diadosnamorados
  5. #repost
  6. #carnaval
  7. #quarentena
  8. #ficaemcasa
  9. #diadasmaes
  10. #covid19

Facebook

  1. #fiqueemcasa
  2. #diadospais
  3. #tbt
  4. #diadosnamorados
  5. #carnaval
  6. #covid19
  7. #diadocliente
  8. #coronavírus
  9. #ficaemcasa
  10. #repost

Lucas Amarildo

Lucas AmarildoJornalista de formação, apaixonado por produção de vídeos. Atuou em redações, produziu documentários e atualmente coordena a área técnica da Dia Estúdio com o objetivo de pensar estrategicamente as tecnologias e inovações adotadas nos projetos da empresa. Está sempre em busca das novidades do universo audiovisual, atualizações das plataformas e é justamente sobre isso que vai falar neste espaço!

 

 

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Criadores iD

x