Trump confirma acordo do TikTok com a Oracle e aplicativo volta a ter futuro nos EUA

O presidente americano Donald Trump disse que aprovou “em conceito” a oferta da Oracle pelo TikTok, menos de um dia antes da proibição de distribuição do aplicativo entrar em vigor.

“Eu dei minha bênção ao negócio”, disse Trump aos repórteres em frente à Casa Branca no sábado, enquanto partia para um comício na Carolina do Norte. “Eu aprovei o conceito do negócio.”

Na sexta-feira, o Departamento de Comércio emitiu uma ordem para bloquear as transações com a empresa-mãe da TikTok, ByteDance e WeChat, a partir de 20 de setembro (último domingo). O pedido está definido para entrar em vigor em 12 de novembro para o TikTok, interrompendo efetivamente as operações do aplicativo.

Os detalhes do negócio ainda estão mudando, mas a nova empresa, chamada TikTok Global, seria sediada nos EUA e assumiria o processamento e armazenamento para todos os usuários do TikTok nos EUA.

Trump disse que a nova empresa teria sede no Texas, contrataria até 25.000 pessoas e contribuiria com US$ 5 bilhões para a educação dos EUA. “Eles vão criar um fundo muito grande”, disse o presidente. “É a contribuição deles que venho pedindo.”

Exatamente como o novo acordo trata das preocupações de segurança do presidente, ainda não ficou claro. O secretário de comércio, Wilbur Ross, disse em um comunicado que a proibição do TikTok que entraria em vigor no último domingo será adiada uma semana, até 27 de setembro às 23h59.

O governo chinês precisa assinar qualquer transação para seguir em frente. “Estamos satisfeitos que a proposta do TikTok, Oracle e Walmart resolverá as preocupações de segurança da administração dos EUA e resolverá questões sobre o futuro do TikTok nos Estados Unidos”, disse um porta-voz do TikTok por e-mail ao portal de notícias The Verge.

Como parte do acordo, a Oracle se tornará o “provedor de tecnologia confiável” do TikTok e será responsável por hospedar todos os dados de usuários dos Estados Unidos e proteger os sistemas de computador associados, acrescentou o porta-voz.

O TikTok confirmou que a empresa trará “25.000 empregos em todo o país” como parte do negócio e “também manterá e expandirá a sede do TikTok Global nos EUA”.

Tecnologia Verde


O Google acaba de assumir um dos compromissos ambientais mais ambiciosos da Big Tech: vai trabalhar para rodar suas operações exclusivamente com energia livre de carbono até 2030.

Também anunciou que comprou compensações de carbono suficientes para cancelar as emissões de dióxido de carbono que a empresa lançou desde que foi fundada, em 1998.

O Google é neutro em carbono todos os anos desde 2007, o que significa que compensa as emissões que gera com a queima de combustíveis fósseis, investindo em projetos de energia renovável ou outras iniciativas que retiram dióxido de carbono da atmosfera e o armazenam. Mas depender de compensações não afasta a empresa dos combustíveis fósseis.

O Google lançou 4,9 milhões de toneladas métricas de gases de efeito estufa apenas em 2018 , aproximadamente a quantidade que mais de 1 milhão de veículos de passageiros podem produzir em um ano.


“Temos até 2030 para traçar uma causa sustentável para nosso planeta ou enfrentar as piores consequências das mudanças climáticas”, disse o CEO do Google, Sundar Pichai

Antes que o Google possa depender totalmente de energia livre de carbono, será necessário superar alguns obstáculos tecnológicos. Precisará de mais e melhores baterias para armazenar e fornecer energia quando o sol não brilhar e os ventos pararem. A empresa também diz que está descobrindo como usar IA para prever a demanda de eletricidade da empresa e se tornar mais eficiente em energia.

Segmentação mais precisa nos anúncios do YouTube

O YouTube lançou na última semana uma nova ferramenta para profissionais de marketing, observando que a pandemia do coronavírus continua acelerando uma mudança de investimento dos dólares de publicidade da TV linear para o vídeo digital.

“Em média, os anunciantes viram que a transferência de apenas 20% dos gastos da TV para o YouTube gerou um aumento de 25% no alcance total das campanhas dentro de seu público-alvo”, disse o YouTube em uma postagem de blog, citando um estudo encomendado pela Nielsen .

A nova ferramenta de anúncio é apelidada de ‘Lineups dinâmicos’ e tem como objetivo reforçar os recursos de segmentação contextual para anunciantes. O serviço aproveita a tecnologia de aprendizado de máquina do Google para analisar canais e vídeos (incluindo imagens, som, fala e texto) e, em seguida, categoriza os vídeos nas chamadas listas dinâmicas.

Lineups dinâmicos são pacotes de canais organizados por tópicos granulares, momentos culturais ou popularidade que os profissionais de marketing podem comprar. Por exemplo: embora os anunciantes já possam comprar uma linha de canal para casa ou estilo de vida, agora eles podem se aprofundar em categorias ainda mais diferenciadas, como ‘casa e jardim’ e ‘reforma da casa’, diz o YouTube.

“Isso significa melhor acesso aos clientes com interesses e necessidades exclusivos – todos com os controles de adequação da marca que são mais importantes para o seu negócio”, disse a empresa.

Um total de 300 lineups pré-selecionados estão disponíveis para compra no lançamento, com pacotes adicionais previstos para chegar em 2021. Os exemplos – que apresentam vários graus de granularidade, diz o YouTube – incluem: Moda, Futebol Americano, Design de Interiores, Viagem de luxo, Viagem econômica, entre outros.

Os Lineups dinâmicos já foram lançados para todos os anunciantes na Austrália, Brasil, Canadá, França, Alemanha, Índia, Japão, México, Reino Unido e EUA. No final do mês, a ferramenta será lançada também para outros mercados, segundo o YouTube.

O Google quer estreitar e otimizar o fluxo de trabalho dos profissionais de mídia que mesclam seus investimentos entre TV linear e internet.
Além dos Lineups Dinâmicos, o YouTube também começará a fornecer dados de TV linear em três países adicionais: França, Espanha e Vietnã. Já disponível nos EUA e no Japão, o YouTube fornece dados históricos de medição de TV de fornecedores locais terceirizados e, em seguida, usa algoritmos do Google para ajudar os anunciantes a prever o impacto de campanhas que compreendem os componentes do YouTube e TV linear.

Lucas AmarildoLucas Amarildo

Jornalista de formação, apaixonado por produção de vídeos. Atuou em redações, produziu documentários e atualmente coordena a área técnica da Dia Estúdio com o objetivo de pensar estrategicamente as tecnologias e inovações adotadas nos projetos da empresa. Está sempre em busca das novidades do universo audiovisual, atualizações das plataformas e é justamente sobre isso que vai falar neste espaço!

 

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Criadores iD

x