It Takes Two: conheça o novo Co-Op multiplataformas que já vendeu mais de 1 milhão de cópias!

Nós jogamos It Takes Two, o novo Co-Op da Eletronic Arts que já vendeu mais de 1 milhão de cópias! Confira nossas impressões sobre o jogo.

It Takes Two é o mais novo jogo 100% cooperativo da Eletronic Arts, lançado em março deste ano. O game, que está disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox Series X/S, Xbox One e PC, está fazendo sucesso entre os gamers e já vendeu mais de 1 milhão de cópias em menos de 1 mês após o lançamento.

E não é para menos. O jogo proporciona ação, emoção e boas risadas, com um roteiro envolvente e design surpreendente. Além de uma das melhores mecânicas de Co-Op já vistas desde A Way Out.

Quer saber por que It Takes Two é tudo isso e mais um pouco? Nós jogamos do início ao fim e você confere as nossas impressões a seguir!

Como já dissemos, por ser um jogo exclusivamente cooperativo, não é possível jogar It Takes Two sozinho. No entanto, para ser jogado online (e com cada jogador na sua casa), não é necessário que cada player compre a sua própria cópia do jogo. Apenas um dos jogadores precisará pagar (entre R$ 120,00 a R$ 230,00) pela cópia completa. Já o segundo jogador, precisará apenas baixar a versão gratuita de convidado e receber o convite do amigo para entrar na aventura.

Tudo começa quando May e Cody, um casal cujo relacionamento encontra-se completamente desgastado, contam para sua filha, Rose, que irão se divorciar. May é uma engenheira que vive para o trabalho, sustenta a casa e quase não tem tempo para a família. Cody é um homem doméstico, que cuida da filha e da casa, enquanto a esposa trabalha fora.

Ao receber a notícia da iminente separação dos pais, Rose corre para um de seus esconderijos na casa, onde guarda um livro de autoajuda que encontrou na lixeira da escola. Com um casal de bonecos nas mãos que representam seu pai e sua mãe, Rose chora ao pedir para o Dr. Hakim, o Livro do Amor, ajudar seus pais a se reconciliarem.

A magia acontece quando as lágrimas da menina caem sobre o casal de bonecos. De repente, May e Cody acordam nos corpos de brinquedo, no porão da casa, assustados e sem entender o que se passa.

Logo, o excêntrico livro Dr. Hakim aparece para explicar o ocorrido e para propor (na verdade, impor) uma terapia ao casal. Céticos sobre a eficácia da terapia e sem a menor esperança de conseguir salvar o casamento, May e Cody começam a procurar um jeito de sair do porão, com o objetivo de encontrar a filha e dar fim à toda aquela loucura.

O excêntrico livro Dr. Hakim propõe uma terapia ao casal para os personagens.

A partir daí, iniciamos uma aventura pelos cômodos da casa e além dela, enfrentando desde um aspirador de pó abandonado e ressentido, até uma milícia de esquilos que desejam recuperar o território perdido para uma colônia de vespas assassinas. Além de tomar decisões indigestas para os jogadores, como mutilar a rainha Fofinha III, a elefanta de pelúcia preferida de Rose, na esperança de fazer com que a filha chore novamente sobre os bonecos e desfaça o feitiço que aprisionou o casal nos corpos de brinquedo.

À primeira vista, a impressão é de que o jogo não será muito longo e que os jogadores conseguirão zerá-lo em cerca de cinco ou seis horas. No entanto, o jogo cresce à medida em que May e Cody exploram sua casa, suas lembranças, paixões esquecidas e sonhos abandonados devido à rotina do casal.

Um dos primeiros desafios do jogo é enfrentar um um aspirador de pó abandonado e ressentido.

Ao jogar as primeiras fases, não imaginávamos o quanto o jogo cresceria, tanto em visual quanto em narrativa. Embora os primeiros níveis sejam muito bonitos e divertidos, com o passar do tempo, o jogo torna-se cada vez mais rico e impressionante. Ao todo, são necessárias cerca de 15 horas para zerar o game.

O roteiro segue o passo a passo da terapia proposta pelo Dr. Hakim. Em cada nível do jogo, May e Cody precisam trabalhar uma questão-chave do seu relacionamento, como cooperação, atração, paixão, apoio aos sonhos um do outro… E apesar de abordar assuntos densos e de causar comoção nos jogadores, It Takes Two também é repleto de momentos cômicos, principalmente nos diálogos entre os dois personagens principais.

A jogabilidade também não deixou a desejar. Na verdade, os comandos são bem simples e intuitivos, mesmo com a variedade de ferramentas e habilidades que os personagens vão adquirindo ao longo da aventura. A tela de cada jogador/personagem intercala entre dividida ao meio e tela única, o que, na nossa opinião, deixou o jogo ainda mais dinâmico e interessante. Vale ressaltar que jogamos em um PlayStation 4, conectado à uma tela grande.

Embora seja necessária muita cooperação para avançar na história principal, o jogo é repleto de mini games competitivos, que ressaltam a rivalidade (saudável) do casal. Ao todo, são 25 minigames que ficam escondidos nas fases e que podem ser identificados por um pandeiro flutuante.

Além de tudo isso, It Takes Two também está repleto de easter eggs, trazendo referências de jogos como A Way Out, Gauntlet, Zelda Ocarina of Time, entre outros. E também de filmes como O Exterminador do Futuro, A Invenção de Hugo Cabret e Querida Encolhi as Crianças.

No jogo é possível perceber claras referências de outras obras, nesse caso, a cena remete ao filme A Invenção de Hugo Cabret

Nossa experiência com It Takes Two foi surpreendente e o jogo nos entregou muito mais do que esperávamos. Começamos a jogar no sábado de manhã e terminamos no domingo à tarde. Salvo algumas pequenas pausas para alimentação e banheiro, ficamos grudados nos controles. E toda vez que a gente tinha a impressão de que estávamos jogando a última fase, quase zerando o game, Dr. Hakim nos propunha um novo tema, novo desafio e nova reflexão.

Em resumo, It Takes Two é um jogo divertido, engraçado, cativante e emocionante. Nos faz refletir sobre a importância de viver o presente, de valorizar os pequenos momentos e de não deixar que a rotina nos faça abandonar nossos sonhos. Mas, principalmente, nos estimula a não desistir daqueles que amamos.

Vários criadores de conteúdo já fizeram gameplays do jogo em seus canais, como BRKsEDU, GamePlay RJ e Zangado. Confira a primeira meia hora de jogo:

Leia também:

7 filmes que são inspirados em jogos!

Você sabe o que é gacha?

Não é só mutar: a cultura de ódio presente nos jogos online