O dia em que as maiores empresas de tecnologia enfrentaram o congresso americano

A última quarta-feira foi um dia importante e atípico para os CEOs das principais empresas de tecnologia do mundo. Jeff Bezos (Amazon), Mark Zuckerberg (Facebook), Tim Cook (Apple) e Sundar Pichai (Google) testemunharam no congresso americano tentando convencer o Comitê Judiciário da Câmara de que suas práticas de negócios não equivalem a monopólios anticompetitivos.

Todo o processo tem sido um dos maiores momentos de oposição ao mercado de tecnologia nos últimos anos. E faz parte de uma longa investigação que reuniu centenas de horas de entrevistas e mais de um milhão de documentos das empresas em questão.

Em tempos de pandemia, a audiência foi transmitida na íntegra através de uma live no YouTube. Os CEOs das empresas também participaram de forma remota, por videoconferência.

David Cicilline, presidente do Subcomitê de Direito Administrativo da Câmara, abriu a audiência alertando sobre a influência exercida pelas maiores empresas de tecnologia dos Estados Unidos. “Como essas empresas são tão centrais em nossa vida moderna, suas práticas e decisões de negócios têm um efeito enorme na nossa economia e na nossa democracia. Qualquer ação individual de qualquer uma dessas empresas pode afetar centenas de milhões de nós de maneiras profundas e duradouras ”, disse Cicilline.

“Cada uma delas utiliza dados e vigilância de outras empresas para proteger seu poder – comprando, copiando ou cortando a concorrência em potencial. E todas as plataformas abusam de seu controle sobre as tecnologias atuais para ampliar seu poder preferindo seus próprios produtos ou criando esquemas de preços predatórios”, completou o presidente do subcomitê.

Bezos, Pichai, Cook e Zuckerberg fizeram seus comentários de abertura de 5 minutos, qua já haviam sido publicados na internet um dia antes, oferecendo defesas de suas plataformas juntamente com apelos emocionais.

O CEO da Amazon, Jeff Bezos, e o CEO da Alphabet, Sundar Pichai, mencionaram sua educação humilde – a mãe de Bezos estava no ensino médio nos anos 1960, quando ele nasceu, e Pichai descreveu o acesso ao computador mudando sua vida enquanto ele crescia na Índia.

O CEO da Apple, Tim Cook, descreveu a Apple como uma “empresa exclusivamente americana”, enquanto o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, prometeu que sua empresa representaria “valores americanos” em um mercado global competitivo.

A sessão foi seguida de muitas perguntas “duras”, questionando os executivos sobre o uso de dados dos usuários, os reais objetivos das empresas e práticas possivelmente duvidosas. Listei abaixo alguns dos comentários e acusações feitos para cada uma delas.

Facebook

Durante o interrogatório, foram reveladas mensagens de email trocadas entre Zuckerberg e seu diretor financeiro, em 2012, debatendo a aquisição de outros produtos que poderiam ser perigosos para o Facebook – entre eles o Instagram.

A mensagem enviada pelo CEO da companhia, mencionava que “esses negócios são incipientes, mas as redes estabelecidas, as marcas já são significativas e, se crescerem em larga escala, podem ser muito perturbadores para nós. Estou interessado em ir atrás de um ou dois deles. O que você acha?” Escreveu Zuckerberg.

A ideia do CEO do Facebook culminou na aquisição do Instagram no mesmo ano, por US$ 1 bilhão.

Durante a audiência da semana passada, o deputado Jerry Nadler concluiu que “O Facebook, por sua própria admissão … viu o Instagram como uma ameaça que poderia desviar os negócios da empresa. Então, em vez de competir com ele, o Facebook comprou. Esse é exatamente o tipo de aquisição anticoncorrencial que as leis antitruste foram projetadas para impedir. ”

Amazon

O mesmo tipo de prática realizado pelo Facebook também foi questionado nas outras companhias. A deputada Lucy McBath questionou Bezos sobre a história de um vendedor de livros que alega ter sido bloqueado sistematicamente pela Amazon. “Nunca recebemos um motivo, a Amazon nem nos notificou por que estávamos sendo restringidos”.

Bezos disse que isso não era consistente com as políticas da empresa e pediu para entrar em contato com o vendedor. “Estou preocupado que esse seja um padrão de comportamento”, disse McBath, alegando que diversas pequenas empresas têm conversado com o Congresso porque a Amazon simplesmente não as está ouvindo.

Apple

Semelhante a Bezos, o CEO da Apple, Tim Cook, enfrentou questões difíceis sobre o hábito da Apple de competir com seus desenvolvedores de aplicativos e o uso da aprovação da App Store para obter vantagem em outras áreas.

Os desenvolvedores de aplicativos (incluindo o Facebook) temem que o poder da Apple possa aniquilar seus negócios. Como a Apple tem a palavra final sobre o que pode estar na App Store, ela pode matar completamente um negócio baseado em aplicativos. Um representante citou um documento interno do Facebook, onde a empresa disse temer que a Apple pudesse “sufocar” seus aplicativos na App Store.

A deputada Jamie Raskin citou um desenvolvedor que paga 25% de sua receita em impostos e 30% à Apple, sobrando 45% da receita para pagar as despesas comerciais e ganhar a vida. Outro representante da câmara fez Cook admitir que nada poderia impedir a Apple de aumentar suas taxas para 50%.

Em resposta, Cook afirmou que a Apple estava em uma “briga de rua” e que os desenvolvedores poderiam trabalhar em várias plataformas. Cook sugeriu que estes profissionais infelizes poderiam criar aplicativos para Android, Xbox ou PlayStation.

Google

O CEO do Google, Sundar Pichai, enfrentou questões difíceis sobre o quanto da Web o Google controla. O congresso mostrou que a empresa tem poder sobre todas as partes de uma transação de publicidade e que também pode usar a privacidade como justificativa para excluir outras empresas de publicidade.

O Google, por exemplo, impediu a veiculação de anúncios de terceiros no YouTube, exigindo que os anunciantes passassem pelas ferramentas da empresa. Um representante na audiência pressionou Pichai sobre como isso convenientemente impulsiona os negócios de publicidade do Google, embora Pichai não tenha admitido diretamente.

Após cinco horas e meia de sessão, David Cicilline terminou dizendo que o comitê publicará um relatório com conclusões e próximas etapas. “Essa audiência me deixou um fato claro: essas empresas, como elas existem hoje, têm poder de monopólio. Alguns precisam ser desmembrados, todos precisam ser devidamente regulamentados e responsabilizados ”, afirmou. “Precisamos garantir que as leis antitruste, escritas mais de um século atrás, funcionem também na era digital”.

Lucas AmarildoLucas Amarildo

Jornalista de formação, apaixonado por produção de vídeos. Atuou em redações, produziu documentários e atualmente coordena a área técnica da Dia Estúdio com o objetivo de pensar estrategicamente as tecnologias e inovações adotadas nos projetos da empresa. Está sempre em busca das novidades do universo audiovisual, atualizações das plataformas e é justamente sobre isso que vai falar neste espaço!

x