A CEO do Youtube, Susan Wojcicki, publicou ontem (22/10) uma carta aberta aos criadores de conteúdo. O comunicado publicado no blog da marca prometeu uma melhor comunicação e atualizações nas redes (Twitter, Creator Insider e YouTube Studio) sobre as frequentes mudanças no sistema de monetização e recursos fornecidos aos youtubers.

A falta de esclarecimentos e transparência por parte do Youtube, além do suposto favoritismo aos mais famosos,  já causou muita insatisfação nos usuários. A plataforma pretende trabalhar para reverter essa imagem.

A CEO também se comprometeu com a expansão do projeto-piloto de “autocertificação” para 2019. A ideia é que os criadores forneçam o máximo de informações específicas sobre o conteúdo dos vídeos, todas relacionadas às diretrizes de publicidade do YouTube. Essas informações serão combinadas com as classificações de algoritmos e revisores humanos para tornar a monetização mais fácil e fazer com que aconteça menos perda de monetização.

Suzan frisou a diminuição do limite para os youtubers que querem oferecer assinaturas pagas para seus espectadores. O recurso Channel Memberships, que era restrito a canais com mais de 100 mil inscritos, agora é permitido para qualquer canal com 50 mil inscritos (e esse limite já tem previsão para diminuir).

Outra melhoria prevista é a expansão da ferramenta “Premieres”. Com ela, o youtuber pode programar a “estreia” de um conteúdo por meio de uma transmissão ao vivo, permitindo a interação entre os inscritos enquanto eles assistem ao vídeo.

Por fim, a CEO prometeu mais investimentos também no YouTube Learning, um canal reservado apenas para aprendizado, com “tutoriais selecionados, vídeos de ‘faça você mesmo’, listas de reprodução com base em habilidades e outros conteúdos educacionais de alta qualidade”.

Segundo Suzan, o Youtube tem interesse em manter uma relação de reciprocidade com os criadores de conteúdo.

Leia também: YouTube testa recurso para melhorar monetização de vídeos