A Uber vai começar a usar uma tecnologia que pode prever quais corridas são consideradas perigosas e bloquear a viagem para que os motoristas não caiam em emboscadas. O aplicativo irá adotar uma técnica de inteligência artificial chamada machine learning, que é uma forma de ensinar sistemas informatizados a decorar comportamentos a partir de repetições de padrões e, a partir daí, improvisar situações.

Como o aplicativo vai saber que uma corrida é considerada de risco? A Uber usará os algoritmos das corridas e irá cruzar com informações do passageiro, como quantas viagens já fez, os locais e horários das corridas, forma de pagamento, histórico do usuário e até comentários deixados no aplicativo. Esses dados já são coletados pelo aplicativos em todas as viagens. O algoritmo também reconhece repetições de padrões nas corridas que podem acontecer em casos de assaltos. Caso o algoritmo identifique um usuário como perigoso, o aplicativo automaticamente esconde a corrida no mapa.

 

:: Confira também: Facebook notifica usuários que tiveram dados coletados pela Cambridge Analytica ::

 

Se um usuário pedir um carro pela Uber numa área perigosa de madrugada, por exemplo, e o aplicativo bloquear sua corrida, será possível fornecer mais informações, como outras formas de pagamento, e o algoritmo fará outra checagem usando o CPF do usuário.

De acordo com a assessoria de imprensa da Uber, a tecnologia vem sido usada de maneira experimental há algum tempo, mas já foram coletados dados suficientes para que o novo sistema entre em vigor.

A Uber compareceu na Feira Internacional de Segurança Pública e Corporativa que aconteceu em São Paulo e deu vários exemplos de como o aplicativo têm ajudado a polícia a resolver crimes em outros países, o que mostra que a empresa pode auxiliar as autoridades também no Brasil.

 

Uber além do carro

Outra novidade da Uber é que o aplicativo comprou uma startup de compartilhamento de bicicletas elétricas chamada Jump Bikes. A Uber já tinha uma parceira com a startup onde indicava os locais em que havia bicicletas disponíveis em São Francisco, na Califórnia. Segundo a CEO da Jump Bike, o principal objetivo da empresa é fazer com que seja mais fácil viver sem ter um carro próprio. Com a fusão, será mais fácil expandir o serviço para outros lugares dos Estados Unidos.