O YouTube anunciou nesta terça-feira (19) uma mudança importante no sistema de strikes. Isto é, na forma de punir os criadores de conteúdo pela violação de diretrizes da plataforma. Segundo o anúncio, as alterações passarão a ter validade a partir do dia 25 de fevereiro.

Os strikes sempre foram motivo de desagrado por parte dos youtubers, que consideravam o sistema pouco preciso e muitas vezes injusto. Numa tentativa de melhorar este processo, o YouTube estabeleceu algumas novas regras que já causaram uma boa impressão.

O youtuber Luba TV já se posicionou a respeito das mudanças e suas consequências em um vídeo publicado hoje em seu canal. No vídeo, Luba destaca também a recente preocupação da marca em informar diretamente os criadores de conteúdo das novidades da plataforma.

 

 

O próprio YouTube também liberou um vídeo detalhado a respeito das mudanças. Nele, a marca reforça que as melhorias foram implantadas atendendo aos pedidos dos profissionais.

 

 

Entenda como funciona o novo sistema de strikes

É importante ressaltar que as mudanças são válidas apenas para o sistema de strikes das Diretrizes de Comunidade. Ou seja, os strikes refererentes a Direitos Autorais não serão afetados.

Como vai ser:

  • ao violar uma das regras das Diretrizes de Comunidade, o criador receberá por email um aviso prévio informando especificamente qual norma foi quebrada. Este aviso não implicará em nenhuma punição e terá duração de 90 dias.
  • se o criador violar mais uma das regras dentro deste período de 90 dias, ele receberá seu 1º strike. Isto quer dizer que ele será banido da plataforma por 7 dias, o que implicará diretamente em seus ganhos mensais.
  • caso haja mais um descumprimento das diretrizes, o 2º strike terá duração de mais 90 dias e implicará em 14 dias de banimento.
  • se finalmente houver um 3º strike, o canal e o respectivo criador serão banidos definitivamente do YouTube. 
  • o criador terá direito de apelar da decisão da plataforma uma única vez.

Como é agora: 

  • não há aviso prévio.
  • ao descumprir uma das regras, o criador já recebe um email informando seu 1º strike com duração de 6 meses, sem nenhuma especificação de qual norma foi violada. Isto implica no bloqueio de alguns recursos como: programação de vídeos, personalização de miniaturas, realização de lives, envio de vídeos de mais de 15 minutos e monetização.
  • ao receber o 2º strike, o criador fica impossibilitado de postar vídeos por 2 semanas. Este strike tem duração de 1 ano.
  • se houver um 3º strike, o canal é deletado automaticamente.
  • é possível apelar da decisão da plataforma diversas vezes.

 

Leia também: Facebook lança sistema de monetização e publicidade em vídeos