O youPIX, plataforma sobre conteúdo digital, lançou um levantamento que aponta as perspectivas dos meios digitais para criadores de conteúdo e marcas que trabalham na área. O vídeo foi destaque entre os formatos de comunicação digital.

:: Leia mais: Instagram e Facebook lançam recurso para controlar o tempo de uso dos aplicativos ::

O consumo de vídeos cresceu em todo mundo. Por isso mesmo que as plataformas como YouTube, Facebook e Instagram apostam cada vez mais em ferramentas para este formato.

O YouPix esteve na VidCon, a maior conferência de vídeos online do mundo, com um grupo de criadores e profissionais do mercado de comunicação. Eles reuniram as principais tendências sobre o mercado de vídeo em um relatório.

Confira abaixo as principais perspectivas. Você pode acessar o relatório completo aqui.

 

1. State of Social Video

O mercado de vídeos se consolidou em 2018. Segundo o Media Consultant Kevin Frankenfeld, 80% do que o público consome em redes sociais é vídeo.

O setor passou a conhecer melhor os hábitos de sua audiência e a sua relevância. Além disso, os criadores de conteúdo e influenciadores passaram a ser vistos como verdadeiras empresas e negócios.

 

2. Criadores como Criativos

Os criadores de conteúdo passam a ser mais ativos em campanhas. As próprias marcas e agências passaram a valorizar os influenciadores como alguém que engaja o seu público de maneira específica, com sua linguagem e jeito próprios.

Por isso, as empresas estão passando a dar mais liberdade para os criadores de conteúdo em campanhas para que eles conversem de maneira natural com o público.

Além de utilizar o conteúdo dos influenciadores, as marcas também passaram a valorizar o trabalho dos fãs e até a monetizar o que é produzido por eles.

 

3. Conteúdo fragmentado

Com cada vez mais plataformas e formatos surgindo, um dos desafios para as marcas e criadores é pensar em estratégias para estruturar a produção de conteúdo.

Se antes as ideias eram centralizadas em uma plataforma, agora a criação deve pensar em fragmentação de conteúdo. Por exemplo: no YouTube se fala sobre um assunto, no IGTV sobre outro, etc.

Os criadores devem pensar em opções multiplataformas, afinal elas estão cada vez mais parecidas. O YouTube agora tem Stories, o IGTV quer ser o novo YouTube, Twitter, LinkedIn e Snapchat tentam atrair criadores

 

:: Leia também: Tudo sobre o IGTV. Os vídeos longos do Instagram vão competir com o YouTube? ::

 

4. Novo engajamento

O meio digital busca agora engajamentos que vão além do curtir/compartilhar/comentar. Cada vez mais a ideia de social network (conversas) ganha força e os próprios algoritmos são moldados para medir engajamento por conta de interação nas redes.

Um dos mantras na VidCon era “Conheça sua audiência”. Para um dos consultores do YouTube Derral Ever Videos, “não é mais sobre o canal, é tudo sobre o vídeo e quem o assiste e fazer com que o tipo certo de pessoa chegue no seu vídeo”.

Por isso, é sempre importante estar atento aos dados do analytics e qualquer interação do público com o conteúdo.

 

5. Seja autêntico

O segredo do verdadeiro engajamento é a autenticidade. Ter uma identidade e propósito são ferramentas fundamentais para as estratégias de conteúdo.

 

6 . Influenciadores para o bem

Os influenciadores digitais já são as principais fontes para tomadas de decisão. A Geração Z, aquela galera nascida entre os anos 1990 e 2010, confia mais nos criadores de conteúdo do que nos próprios pais ou marcas.

Por isso, é importante que os influenciadores saibam o seu papel social e apliquem no conteúdo que produzem e compartilham. Entre alguns dos temas destaque estão a luta pela diversidade, pela educação e contra as fake news.

 

7. Seguidores falsos, problemas reais

Com o grande número de pessoas que se dizem influenciadoras digitais, é importante que as marcas atentem aos números. Métricas de seguidores e engajamento podem ser comprados, por isso é interessante que as marcas optem por criadores que vão além dos números.