O youtuber Felipe Neto publicou hoje (24/04) um vídeo-resposta à imprensa citando artigos do Estadão e do O Globo que fazem críticas ao conteúdo produzido por ele e seu irmão, Luccas Neto. Entre os assuntos está a publicidade infantil, que causou a punição de Felipe Neto pelo Conar.

:: Leia mais: Primeiro vídeo do YouTube completa 13 anos ::

O caso de PewDiePie como marco inicial

Felipe Neto havia dito em um vídeo de março de 2017 que os youtubers brasileiros iriam virar alvo da velha mídia, assim como o youtuber sueco PewDiePie.

Em fevereiro de 2017, o YouTube e a Disney romperam com PewDiePie após uma publicação do jornal americano Wall Street Journal que afirmava que o youtuber havia publicado vídeos com conteúdos antissemitas.

Felipe Neto afirma que a publicação do Wall Street Journal trazia “mentiras e exageros” a fim de “acabar com a imagem do YouTube para anunciantes”.

Influências no mercado publicitário

Para ele, a mídia tradicional está perdendo anúncios por conta da nova mídia e que para conseguir cliques publicam títulos mentirosos e sensacionalistas. Os artigos publicados recentemente seriam a concretização do que ele previu há um ano.

Um dos textos, assinado por Rita Lisauskas, fala que Felipe Neto xinga, grita, fala palavrões e tenta vender produtos o tempo todo.

Ela completa afirmando que deixar seu filho na companhia dele é um desserviço à educação que nós, pais, nos esforçamos a dar a eles [filhos] todos os dias”.

Felipe Neto rebateu a crítica em seu vídeo dizendo que seu canal não traz palavrões há 250 vídeos e que não foram ouvidos os dois lados da história.

Contrapondo esta afirmação, o youtuber Pyong Lee fez um vídeo no início de abril falando sobre as atitudes de Felipe Neto, que incluem a publicidade infantil e o fato de ele praticar bullying e falar palavrões.

Para ilustrar o seu ponto, Pyong Lee utilizou como exemplo vídeos recentes de Felipe Neto em que ele faz piadas sobre a fisionomia do youtuber Christian Fiqueiredo e faz propagandas de seu livrão em diversos momentos do mesmo vídeo.

A outra matéria citada por Felipe Neto em seu novo vídeo, intituladaPais questionam youtubers que estimulam consumo de comida trash”, aborda as influências de youtubers para crianças e cita vídeos de Luccas Neto.

Felipe Neto criticou os artigos e disse que os jornalistas não fizeram o papel clássico do jornalismo de ouvir os dois lados da história.

Punição do Conar em 2018

No início do ano, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) puniu Felipe Neto por não deixar claro que um dos vídeos do canal se tratava de um anúncio publicitário.

O vídeo em questão era sobre uma promoção para levar um fãs para conhecerem a casa de Felipe Neto e Lucas Neto. O conteúdo já havia sido suspenso e a punição foi aprovada por unanimidade.

Felipe Neto continua fazendo publicidade de seus produtos em seus vídeos, apesar da punição e das críticas.

Gregório Duvivier citou Felipe Neto e a publicidade infantil em um episódio do Greg News, exibido na HBO Brasil em março deste ano.

Todas essas discussões envolvendo os youtubers e o conteúdo que eles publicam são reflexos da dimensão e influência que conquistaram ao longo dos anos. No mercado publicitário, hoje em dia eles competem diretamente com a imprensa tradicional através dos anúncios.

A liberdade de expressão deve ser valorizada na internet e fora dela, mas é importante que esteja dentro das normas que foram estipuladas para o melhor convívio social. As políticas de publicidade infantil, por exemplo, levam em conta a capacidade de discernimento das crianças.