Tudo começou no ano passado, quando grandes marcas como Prada, Supreme, Vogue e Fenty Beauty passaram a apostar num tipo diferente de influenciadores: os que não existem de verdade.  O mercado passou a acolher influenciadoras artificiais, desenvolvidas digitalmente. Avatares que em pouco tempo se tornaram “mulheres cibernéticas” populares no Instagram e famosas na Internet.

influenciadoras

A presença das novas influenciadoras assumindo papéis anteriormente humanos gerou reflexões filosóficas e questionamentos sobre o futuro deste mercado.

Em entrevista para o Meio e Mensagem, a consultora de estilo e stylist Tay Borges disse que as pessoas estão procurando por algo diferente para servir de inspiração. E na geração dos millenials, que já está acostumada ao mundo digital, a recepção foi calorosa.

Além disso, as influenciadoras, por serem artificiais, não têm limitações que mulheres reais teriam. Elas podem tudo!  Por outro lado, elas não deixam de depender de uma ótima estratégia de conteúdo, assim como os influenciadores comuns.

Rodrigo Soriano, CEO da Airfluencers, diz que algumas pessoas são contrárias à tendência e questionam essa reprodução do comportamento humano e do tipo de relacionamento que se pode estabelecer com um “robô“. Por isso, ele ressalta a importância de deixar claro para o consumidor que se trata de um personagem criado digitalmente.

Conheça as quatro maiores influenciadoras artificiais da atualidade:

 

  1. Shudu Gran

    Shudu Gran é uma animação digital em 3D criada pelo fotógrafo inglês Cameron-James Wilson. Ela ficou famosa quando a marca de maquiagem da cantora Rihanna, Fenty Beauty, compartilhou uma de suas fotos.  Só após rumores de que a modelo era “perfeita demais para ser verdade”  o fotógrafo revelou que a influenciadora é uma animação.  Hoje, ela compartilha fotos de editoriais, campanhas e looks do dia. Sua conta do Instagram têm atualmente 157 mil seguidores.

  2. Miquela Sousa

     

    Visualizar esta foto no Instagram.

     

    This dream is getting c l o s e r to becoming reality. 📔💭 Can’t wait to share this with y’all soon. 💘

    Uma publicação compartilhada por *~ MIQUELA ~* (@lilmiquela) em

     

    Miquela Sousa é uma modelo, it girl e cantora artificial. Ela foi criada pela startup de inteligência artificial Brud, como um projeto de arte digital. Também conhecida como Lil Miquela, a influenciadora diz ser “nascida” em Los Angeles mas tem fortes influências latinas. O conteúdo de sua conta no Instagram (que soma surpreendentes 1,5 milhões de seguidores) vai de selfies, dicas de maquiagem e looks até posicionamento político e acesso VIP a shows famosos. Miquela já foi entrevistada pela revista Vogue e até lançou uma música no Spotify – “Not Mine”.

  3.  Noonoouri

    Noonoouri é a única das influenciadoras que não tem a aparência semelhante a de uma mulher real. Ela foi criada em fevereiro de 2018 pelo diretor artístico francês Joerg Zuber e tornou-se famosa depois de virar modelo da marca Dior. Ela também já fez campanhas para Saint Laurent, Versace, Nike e Supreme. Assim como as outras “garotas”,  ela têm uma personalidade única e dá entrevistas para grandes veículos. Atualmente ela tem 234 mil seguidores no Instagram.

4. Vic Kalli

Vic Kalli é a primeira influenciadora artificial brasileira!  Ela foi criada em janeiro de 2019 e fez um ensaio para a revista L’Officiel Brasil para marcar sua estreia. Ela se autodescreve como uma “paulista de 21 anos, sagitariana, fashionista e traveller“.  Ela está sempre ligada no mundo da moda e promete inspirar seu público com suas viagens e ensaios com grandes marcas. Ainda em ascensão, hoje ela tem 4.1 mil seguidores no Instagram.

 

 

Leia também: YouTube vai parar de recomendar vídeos que “quase” violam as regras